O Senado brasileiro converte o delito de corrupção em crime hediondo

Os condenados terão penas mais severas e maiores obstáculos para conseguir o indulto e a liberdade através da fiança

Disturbios a las puertas del Brasil-Uruguay este miércoles. / S. Moreira (EFE)

Os protestos nas ruas do Brasil conseguiram um dos seus maiores triunfos esta quarta-feira. O projeto que transforma a corrupção em crime hediondo foi aprovado pelo Senado. A decisão ainda deve ser votada pela Câmara dos Deputados, onde já se sabe que não vai encontrar obstáculos.

Sob a nova lei, os condenados por corrupção terão penas mais elevadas, que podem chegar a 12 anos de prisão. Eles perdem o direito à anistia, ao indulto e à fiança, além de ter maior dificuldade para conseguir a liberdade condicional.

O projeto foi aprovado 48 horas após a presidente Dilma Rousseff declarar seu desejo de que o texto, que dormia no Congresso desde 2011, fosse rapidamente adotado. O Senado deu a sua aprovação durante o jogo entre Brasil e Uruguai, em uma votação quase simbólica, dado o grau de aceitação do projeto.

Serão considerados crimes hediondos a corrupção ativa e passiva; extorsão feita por servidores públicos, mesmo fora da função; o peculato, ou seja, corrupção cometida por funcionários públicos, assim como a cobrança indevida de taxas. Os homicídios comuns, além dos qualificados, também entrarão nesta categoria graças a uma emenda apresentada no último momento pelo senador e também ex-presidente da República, José Sarney.

O que chamou a atenção da opinião pública foi a velocidade com que um projeto, que estava dormindo no Senado há dois anos, foi aprovado. Os senadores confessaram que esta aprovação-relâmpago foi "uma resposta à principal reinvindicação dos protestos em todo o país", disse o senador Álvaro Dias, do PSDB. O mesmo lembrou que a palavra "corrupção" foi "a mais pronunciada nas ruas pelos jovens brasileiros". Até mesmo o presidente do Senado, Renan Calheiros, admitiu sem rodeios que a votação foi uma "consequência dos gritos das ruas".

A decisão de converter a corrupção em crime hediondo se soma à vitória de terça-feira, quando os manifestantes conseguiram que o Congresso retirasse a famosa e polêmica PEC 37, que pretendia tirar os poderes de investigação da Procuradoria da República (Ministério Público) para deixar tudo nas mãos da polícia.

O projeto de lei teve origem após os julgamentos e prisões do mensalão, que jamais teriam acontecido sem o trabalho do Procurador-Geral do Estado, Roberto Gurgel, que investigou a causa durante sete anos. Com essas duas decisões do Congresso, podemos dizer que os protestos das ruas conseguiram até agora sua maior vitória contra a corrupção. O passo seguinte será a reforma política, que deverá ser levada a cabo através de um plebiscito popular. Este poderá ser um passo decisivo para a modernização das engrenagens da política partidária, que foi, durante todos estes anos, a maior fonte de corrupção e a razão do divórcio entre o Palácio do Planalto e as ruas.

Tradução: Beatriz Borges

Para poder comentar debes estar registrado en Eskup y haber iniciado sesión

Darse de alta ¿Por qué darse de alta?

Otras noticias

Avatar
Periodista y escritor

Últimas noticias

Ver todo el día

IU denuncia el despido de 12 empleadas en un centro de mayores

Las trabajadoras, con contratos fijos, están siendo sustituidas por otras con contratos precarios

La nueva cara de Maradona tras pasar por el quirófano

El astro argentino reaparece en un programa de la televisión venezolana para hablar de Fidel Castro

La City de Londres gana una batalla legal a la zona euro

EP

Las cámaras de compensación podrán operar desde fuera de eurozona

EL PAÍS RECOMIENDA

China quiere las tripas y los despojos del cerdo español

Ana Carbajosa Cártama

Las empresas de porcino despuntan con la venta de estómago o intestinos

Justicia universal contra los yihadistas del EI

"La destrucción de bienes culturales es un delito de trascendencia global"

Lo más visto en...

» Top 50


Webs de PRISA

cerrar ventana