Selecciona Edición
Entra en EL PAÍS
Conéctate ¿No estás registrado? Crea tu cuenta Suscríbete
Selecciona Edición
Tamaño letra

Brasil também está na mira da espionagem vazada por Snowden

Jornais revelam que os EUA interceptaram milhares de telefonemas, mails e dados de empresas

Un manifestante pro-Snowden, en Berlín.
Un manifestante pro-Snowden, en Berlín. AFP

O Brasil, que possui extensas redes digitais públicas e privadas, há anos é um objetivo prioritário da espionagem estadunidense. Segundo matéria publicada no jornal brasileiro O Globo em colaboração com o britânico The Guardian, o governo de Barack Obama interceptou indiscriminadamente milhares de telefonemas, correios eletrônicos e dados de empresas, instituições e cidadãos brasileiros. Os jornais explicam que para facilitar o alcance da rede de espionagem, a Agência de Segurança Nacional (NSA, na sigla em inglês) mantém acordos estratégicos com mais de 80 “principais corporações globais” dos setores de comunicações, provedores de Internet e infraestrutura de rede para “apoiar as missões”.

Como estas alianças não garantem à NSA acesso a todos os aparelhos do planeta, diz O Globo que a agência criou um programa chamado Fairview para, com o apoio de uma grande empresa de telefonia americana, captar dados em redes do mundo todo.

Mediante alianças corporativas, a NSA acaba tendo acesso a sistemas de comunicação fora das fronteiras estadunidenses. “Como resultado das relações com empresas não americanas, essa operadora tem acesso às redes de comunicação locais, inclusive brasileiras”, afirma O Globo. A informação, baseada em documentos revelados pelo ex-técnico da NSA Edward Snowden – que espera asilo político em Moscou – assegura que o país latino-americano teria tanto interesse para os estadunidenses quando a China a Rússia o Irã ou o Paquistão.

“Não se sabe o número de pessoas e empresas espionadas no Brasil, mas há evidências de que o volume de dados interceptados pelo sistema é constante e de grande escala”, afirma o jornal do Rio de Janeiro. A presidente Dilma Rousseff recebeu a notícia com preocupação. O ministro de Relações Exteriores, Antônio Patriota, por meio do embaixador em Washington e do representante dos EUA em Brasília pediu ao governo de Obama que esclareça o episódio das interceptações, como ele informou pessoalmente à imprensa hoje pela manhã.

Se for comprovada, a espionagem “seria algo sumamente grave” e o governo brasileiro “responderia à altura da gravidade”, disse o porta-voz do Ministério de Relações Exteriores a O Globo. O governo brasileiro também pretende lançar uma iniciativa na ONU para “proibir abusos e impedir a invasão de privacidade” dos usuários da Internet, e “estabelecer normas claras de comportamento por parte dos Estados” no setor das telecomunicações.

O Brasil, um dos 21 países ao qual Snowden pediu asilo para se proteger da extradição após revelar uma rede mundial de espionagem montada pelos EUA, não respondeu à petição do delator. Segundo O Globo, as informações dos documentos de Snowden confirmam suspeitas de vigilância estadunidense no país.

O próprio ministro de Defesa brasileiro, Celso Amorim, disse na semana passada em entrevista ao jornal Folha de São Paulo que por duas vezes pensou que o seu telefone estava grampeado. “Uma foi quando eu vivia nos EUA, era embaixador na ONU e estava encarregado de três comissões sobre o Iraque. O meu telefone começou a fazer um ruído estranho que só parou quando acabou a comissão. Havia um objetivo óbvio ali”. Na entrevista, o ministro afirmou que a questão da espionagem era um assunto que preocupava a defesa do país.

Tradução: Cristina Cavalcanti

Más información